“Problemas centrais em teoria social”, de Anthony Giddens: um guia de leitura – por Gabriel Peters

por Gabriel Peters GIDDENS, Anthony. Problemas centrais em teoria social: ação, estrutura e contradição na análise sociológica. Petrópolis: Vozes, 2018. O artífice da síntese no seu auge  A teoria da estruturação constitui, creio eu, a contribuição mais valiosa do sociólogo britânico Anthony Giddens às ciências sociais. A sofisticação analítica e a erudição vasta demonstradas em…

Desmoronamento: Ensaio para uma sociologia da crise, por Antonio Canha

Por Antonio Canha (PPGSA/UFRJ) Revisão: Samantha Sales Clique aqui para pdf Com quantas metáforas se faz uma sociologia? Talvez apenas uma, mas, com nenhuma, não se faz. Conseguimos iluminar o que é propriamente humano na realidade ao imaginar o social como se fosse coisa, ou música, ou teatro, ou mesmo prédio[i]. Aqui, então, gostaria de…

Experimentos com a verdade. Uma variação sociológica das ‘Varieties of Religious Experience’ de William James (Parte 2), por Frédéric Vandenberghe

por Frédéric Vandenberghe Tradução: Alberto Luis Cordeiro de Farias Revisão: Samantha Sales Clique aqui para pdf As Varieties of Religious Experience de William James é um clássico estudo psico-filosófico da experiência do sagrado e de seus efeitos práticos na vida cotidiana de pessoas extraordinárias. Em uma variação pragmática da prova da existência de Deus de…

Experimentos com a verdade. Uma variação sociológica das ‘Varieties of Religious Experience’ de William James (Parte 1), por Frédéric Vandenberghe

por Frédéric Vandenberghe Tradução: Alberto Luis Cordeiro de Farias Revisão: Samantha Sales Clique aqui para pdf As Varieties of Religious Experience de William James é um clássico estudo psico-filosófico da experiência do sagrado e de seus efeitos práticos na vida cotidiana de pessoas extraordinárias. Em uma variação pragmática da prova da existência de Deus de…

Introdução: Eurocentrismo, androcentrismo e teoria sociológica, por Syed Farid Alatas e Vineeta Sinha

Da esquerda para a direita: Pandita Ramabai Saraswati (1858-1922); Harriet Martineau (1802-1876); Florence Nightingale (1820-1910); José Rizal (1861-1896) por Syed Farid Alatas e Vineeta Sinha Tradução: Bárbara Vítor (PPGSP/UVV) Revisão: Samantha Sales Clique aqui para pdf  ALATAS, Syed Farid; SINHA, Vineeta. Sociological Theory Beyond the Cannon. Londres: Palgrave Macmillan, 2017. A necessidade de outro texto…

“Os livros que Habermas não escreveu”, por Frédéric Vandenberghe

Por Frédéric Vandenberghe Tradução: Diogo Corrêa Revisão: Samantha Sales Clique aqui para pdf O artigo apresenta uma visão geral da produção intelectual de Jürgen Habermas nas últimas cinco décadas. Por meio da análise dos ensaios filosóficos recentemente publicados em uma caixa com cinco volumes, mostra a relevância e a pertinência da “virada linguística” na filosofia…

Sociologie générale. Volume 1. Cours au Collège de France 1981-1983 (2016), de Pierre Bourdieu

por Matthias Fringant Por Matthias Fringant Tradução: Diogo Corrêa Clique aqui para pdf Esse primeiro volume do “cours de sociologie générale” completa a publicação das transcrições dos cursos que Pierre Bourdieu ministrou quando ocupou a cátedra de sociologia no Collège de France, de 1981 a 2011[i]. Quando ele foi eleito para esta instituição, na primavera…

Sociologie générale. Volume 1. Cours au Collège de France 1981-1983 (2016), de Pierre Bourdieu

por Arnaud Esquerre   Por Arnaud Esquerre Tradução: Diogo Corrêa Clique aqui para pdf “O que é sociologia?” e “o que é ser um sociólogo?”. Os dois primeiros anos de cursos ministrados por Pierre Bourdieu no Collège de France, entre 28 de abril de 1982 e 25 de janeiro de 1983, são organizados por essas…

“Explicação e compreensão: O que é individualista no individualismo metodológico de Max Weber?” (Parte 4), por Gabriel Peters

Da Série Verbetes Por Gabriel Peters Clique aqui para pdf Racionalidade, hábito e afeto: da teoria à pesquisa Como vimos no post anterior desta série, ao conceituar as diferentes modalidades de ação social como “tipos ideais”, Weber quis enfatizar que tais modalidades, na sua forma “pura”, não são jamais encontráveis na realidade empírica. O argumento weberiano…