SocioFellows

Conheça as pessoas que integram o nosso (co)laboratório, as e os sociofellows. Aqui você encontra uma lista das pessoas integrantes do SocioFilo, de onde você pode acessar a página pessoal de cada uma delas, com informações importantes sobre suas áreas de interesse, pesquisas em andamento, um pouco de sua trajetória acadêmica, além de formas de entrar em contato.

Frédéric Vandenberghe (coordenador)

Num belo dia em 2003, cheguei no Brasil. Entrei no IUPERJ em 2006 e agora sou professor de sociologia no IFCS-UFRJ. Nasci em Flandres, na Bélgica, e trabalhei em várias universidades na Europa (Universidade de Manchester, Universidade de Estudos Humanistas em Utreque, Universidade de Brunel, em Londres, Instituto Universitário Europeu em Florença) e nos Estados Unidos (Universidade de California em Los Angeles e na Universidade de Yale). Defendi meu doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris, em 1994, sobre a teoria da reificação na sociologia alemã, de Hegel até Habermas. Trabalhando na interface da filosofia e da sociologia, meu interesse de pesquisa principal está relacionado à filosofia social alemã, à teoria social anglo-saxã e à teoria sociológica francesa. Sou um membro ativo do MAUSS (Movimento Anti-utilitarista nas ciências sociais) e do Critical Realism Network. A minha tese Une histoire critique de la sociologie allemande (1997-98, 2 vols.) foi traduzida em inglês, turco e português. Publiquei (entre outros) As sociologias de Georg Simmel (2006); Teoria social realista (2010); What’s Critical about Critical Realism?(2014); com Alain Caillé, Pour une nouvelle sociologie classique (2016), e Póshumanismo ou a lógica cultural do neocapitalismo global (2017).

Ábia Marpin

Doutoranda do curso de Sociologia no IESP/UERJ, mestre em Sociologia (2015) e jornalista (2010) formada pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), pesquisa a negritude e suas culturas e expressividades contemporâneas em Alagoas, a partir dos processos identitários fomentados nos movimentos negros da periferia de Maceió. Foi diagramadora de jornal diário e assessora de comunicação de secretaria de estado, em Alagoas. É sócia-fundadora do Coletivo AfroCaeté, grupo percussivo e de valorização das culturas populares, em especial da matriz africana e ameríndia, onde batuca e coordena eventos de formação. Tendo vivenciado a licenciatura e a formação técnica em teatro, mantido atividades musicais em vários grupos como compositora e instrumentista e, no jornalismo, experienciado a intersecção com as artes gráficas, se sente muito à vontade entre as artes e suas diversas linguagens.

Alberto Cordeiro

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), onde foi bolsista pelo Programa de Educação Tutorial de Ciências Sociais da UFPE, MEC, SESu por sete períodos consecutivos. Atualmente dedica-se ao doutorado em Sociologia do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), onde defendeu mestrado em 2016. Seus interesses de estudo e pesquisa se concentram nas subáreas de teoria social e de filosofia das ciências sociais. Desenvolve pesquisas na intersecção da sociologia com a filosofia, tendo experiência com as seguintes especialidades: teoria sociológica clássica, pensamento social alemão e fundamentos filosóficos da teoria social, com ênfase nos seguintes temas: história da sociologia, sociologia dos conceitos, teoria crítica alemã, sociologia filosófica, Georg Simmel, estética e sociologia, neokantismo e sociologia, Crítica da Faculdade do Juízo. No doutorado, investiga a estética simmeliana buscando reconstruí-la em seus fundamentos e em suas relações com a filosofia kantiana, em particular com a terceira crítica.

Alexandre Camargo

Doutor em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2016); Mestre (2008), Bacharel (2004) e Licenciado (2004) em História pela Universidade Federal Fluminense. Realizou estágio de doutorado (com bolsa equivalente do CNPq) no Centre Interuniversitaire de Recherche sur la Science et la Technologie (CIRST), vinculado à Université du Québec à Montréal (UQÀM) e à Université de Montréal (UdeM). É Professor Adjunto do Programa de Mestrado em Sociologia Política do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IÚPERJ/UCAM); membro do Núcleo de Estudos sobre Filosofia das Ciências Sociais (Sociofilo/IESP), e líder do grupo de pesquisa “Estudos Sociais e Históricos das Estatísticas Públicas”, cadastrado no CNPq. Seus interesses voltam-se, predominantemente, para as relações entre as políticas de população e as configurações do discurso estatístico, em diferentes temporalidades e regimes de governo. Áreas de pesquisa: teoria social; sociologia política; sociologia da quantificação; política de população; sociogênese das categorias de classificação; questão social; regiões e representações do território; intelectuais e poder.

Augusto Waga

Doutorando em Sociologia do IFCS-UFRJ, Mestre em Sociologia no IESP-UERJ e possui graduação em Ciências Sociais (2016) pelo IUPERJ-UCAM. Atualmente, é pesquisador do Sociofilo e atuou como pesquisador do Programa de Estudos de América Latina e Caribe (PROEALC-UERJ). Tem interesse nas temáticas de práticas oraculares, reflexividade e narrativas de si.

Carlos Gutiérrez

Doutor em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e pesquisador do SocioFilo. Realizou estágio sanduíche no Laboratoire Interdisciplinaire d’études sur les réflexivités (LIER), ligado à École des hautes études en sciences sociales, sob supervisão de Nicolas Dodier. Seus temas de interesse são: religiosidade, direitos dos animais, reflexividade, teoria social, modernidade e realismo crítico.

Delaine Martins Costa

Cientista Social (Universidade Federal Fluminense – UFF), mestre em Antropologia (UFF) e doutoranda em Saúde Pública (2016/…, Escola Nacional de Saúde Pública – ENSP, da Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ). Pesquisadora concursada do Departamento de Ciências Sociais (ENSP/FIOCRUZ), desenvolve atividades de pesquisa e docência relacionadas ao tema das desigualdades sociais e saúde. Suas principais áreas de investigação e interesse são: saúde coletiva, realismo crítico, desigualdades sociais, gênero e feminismo, políticas públicas e avaliação de programas.

Diogo Corrêa

Pós-doutorando em sociologia do Sociofilo, com bolsa faperj nota 10, e pesquisador associado do Centre d’Études des Mouvements Sociaux (CEMS-EHESS). Seu doutorado em sociologia é resultante de uma co-tutela internacional entre o Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP-UERJ) e a École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS). Fez uma tese, premiada como a melhor tese do IESP-UERJ do ano de 2015, sobre mudanças de vida, focando-se na conversão religiosa de ex-traficantes da favela Cidade de Deus. Seus interesses de pesquisa se concentram em teoria social, sociologia pragmática francesa, sociologia dos problemas íntimos, filosofia e sócio-antropologia das intensidades.

Eduardo Nazareth

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2003), mestrado em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (2005) e doutorado em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos (2013). Tem experiência na área de Sociologia, trabalhando principalmente com os seguintes temas: teoria sociológica e sociologia do esporte. Foi ganhador do Prêmio Iesp-Uerj de melhor tese em Sociologia de 2013. Sua tese, Esporte como experiência, foi publicada em 2015. Possui artigos publicados na Revista Brasileira de Ciências Sociais e na Revista Brasileira de Educação Física, entre outras publicações. Atualmente é professor regente de ensino médio da Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro.

Estevão Bosco

Sociólogo, atualmente pós-doutorando do Departamento de geografia da Universidade de São Paulo (USP). É mestre e doutor pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com período de pesquisa na Universidade Livre de Berlim (FU), e bacharel em ciências sociais pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Seu trabalho circula na interface entre filosofia – especificamente, pragmática formal, hermenêutica filosófica e fenomenologia social – e sociologia, com interesse especial pelos seguintes temas: cosmopolitismo, mundialização/globalização, pós-colonialismo e Antropoceno. Foi pesquisador visitante no Departamento de Sociologia da Universidade de Sussex (US), Reino Unido, e pesquisador-colaborador do Departamento de Sociologia da UNICAMP. É membro do Núcleo de Pesquisa em Filosofia das Ciências Sociais (SOCIOFILO, IFCS/UFRJ) e do Núcleo de Pesquisa em Geopolítica e Ambiente (GEOPO, FFLCH/USP). É autor do livro Sociedade de risco: introdução à sociologia cosmopolita de Ulrich Beck (2016, Annablume & Fapesp), de artigos em periódicos e de capítulos em coletâneas.

Fernando Santana

Possui graduação (2011) e mestrado (2014) em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Paulo. Atualmente é doutorando em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ) e pesquisador do Sociofilo. Atua nas áreas de teoria social alemã, epistemologia e filosofia das ciências sociais.

Gabriel Peters

Professor do Departamento de Sociologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Foi Professor na Universidade Federal da Bahia (UFBA) entre os inícios de 2015 e 2017. É Doutor em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP/UERJ), onde colabora com o Núcleo de Pesquisa em Filosofia das Ciências Sociais (SOCIOFILO). Possui graduação em Sociologia pela Universidade de Brasília (2002) e mestrado em Sociologia também pela UnB (2006). Publicou diversos artigos sobre teoria social contemporânea em periódicos no Brasil (e.g. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, Teoria & Sociedade) e no exterior (e.g. History of the Human Sciences, Journal for the Theory of Social Behavior, International Sociology). Também é autor de dois livros publicados pela editora Annablume: Percursos na teoria das práticas sociais: Anthony Giddens e Pierre Bourdieu (2015); e A ordem social como problema psíquico: do existencialismo sociológico à epistemologia insana (2017).

João Carlos Bassani

Concluiu sua graduação em ciências sociais (summa cum laude) na PUCRS sob orientação do Professor Emil A. Sobottka, defendendo o trabalho de conclusão de curso intitulado Cidadania como reconhecimento e justiça social. Realizou mestrado em ciências sociais pela mesma instituição, apresentando a dissertação intitulada A teoria crítica de Max Horkheimer (aprovada com louvor). Atualmente é doutorando no programa de sociologia do IESP-UERJ sob orientação do Professor Frédéric Vandenberghe e membro do Sociofilo. Suas principais áreas de investigação são: teoria social e sociológica, teoria crítica, teorias da justiça e normatividade.

Lucas Faial Soneghet

Mestre em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA/IFCS/UFRJ) e graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Desenvolveu estudo nas áreas de Pensamento Social Brasileiro e Teoria Social, com foco em Religião, Sociologia da Literatura e Sociologia da Cultura. Sua pesquisa de mestrado tratou do catolicismo na obra de Mário de Andrade, abordando também a discussão do Modernismo como movimento cultural e do pensamento católico brasileiro. Atualmente desenvolve pesquisa no doutorado sobre formas de cuidado no fim da vida, dialogando com os estudos de “death and dying” e com uma sociologia do morrer com foco na subjetividade.

Marcelo de Oliveira

Mestre em sociologia pelo Iesp/Uerj, tendo apresentado uma dissertação sobre a sociologia menor de Durkheim. Conclui o doutorado em Sociologia há pouco, na mesma instituição, sob a orientação de Frédéric Vandenberghe e é membro do Sociofilo; desenvolveu uma tese sobre a crise da sociologia, no cruzamento entre a teoria sociológica e a teoria social. Contudo, longe do esforço para chafurdar a teoria sociológica em mais uma crise do pensamento ocidental, ou equivalente, o objetivo foi desenvolver uma teoria sociológica articulada a partir da filosofia da diferença.

Marcos Lacerda

Bacharel em ciências sociais pela UFRJ/IFCS; Mestre em sociologia e antropologia pelo PPGSA/IFCS/UFRJ; Doutor em Sociologia pelo IESP/UERJ. Ocupou um cargo de alta administração no governo federal de março de 2015 a maio de 2017, como Diretor do Centro de Música da Funarte, vinculada ao Ministério da Cultura. Desenvolve um projeto de pesquisa sobre os pressupostos filosóficos e políticos da teoria sociológica, associados às críticas pós-humanistas e pós-estruturalistas ao processo histórico, político e metafísico de Ocidentalização do mundo, através de uma arqueologia e genealogia do conceito de sociedade e de humano. Seu campo de atuação e de interesse se situam, assim, entre a epistemologia das ciências humanas, a teoria social e as teorias sociológicas.

Maria Luiza Asaad

Formou-se em História (2010) e Psicologia (2014) pela PUC-Rio e realizou seu mestrado em Saúde Coletiva (2016), no Instituto de Medicina Social da UERJ. Em sua dissertação, se voltou para as relações entre as Ciências Sociais e as “novas biologias”, mais especificamente, para determinadas ideias de corpo em Antropologia, além da emergência do campo da “epigenética”. Seus interesses se concentram nas temáticas de antropologia do corpo, natureza e cultura, biologia e sociedade, corpo e ambiente, estudos sociais da ciência, cultura material, herança cultural/biológica, temporalidade e concepções sobre horizontes futuros.

Olivia von der Weid

Professora Adjunta no Departamento de Antropologia da Universidade Federal Fluminense (GAP/UFF). Doutora em Antropologia Cultural pelo PPGSA/UFRJ (2014). Mestre em Sociologia (com concentração em antropologia) também pelo PPGSA/UFRJ (2008) e bacharel em ciências sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004). De 2015 a 2018 realizou estágio pós-doutoral com apoio da bolsa PAPD CAPES/FAPERJ, vinculada ao (co)laboratório Sociofilo. Suas principais áreas temáticas de pesquisa são: gênero e sexualidade, antropologia do corpo e da saúde, estudos sobre deficiência, relações entre natureza e cultura, antropologia da percepção e dos sentidos, etnografia das técnicas e das práticas, relações inter-específicas.

Raul Nunes

Doutorando e mestre em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP/UERJ), onde colabora com o Núcleo de Pesquisa em Filosofia das Ciências Sociais (SOCIOFILO) e o Núcleo de Estudos de Teoria Social e América Latina. Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Viçosa (2015). Tem interesse nas áreas de sociologia dos movimentos sociais, teorias da democracia e estudos de gênero.

Rodolfo Amaro

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), onde foi monitor de diversas disciplinas na área de sociologia, além de bolsista. Possui mestrado em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ) sob a orientação de Frédéric Vandenberghe, e doutorado em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP-UERJ), também orientado por Vandenberghe. É membro do Centro Brasileiro de Estudos Durkheimianos e do Núcleo de Pesquisa em Filosofia das Ciências Sociais (Sociofilo), além de atuar como tradutor.

Rodrigo Assis

Descobriu a sociologia por acaso no ano de 2007, quando ganhou de presente, de uma amiga, um livro sobre aquela que se tornou a sua área de atuação. Desde lá decidiu se dedicar a inquirição metodologicamente conduzida dos fenômenos sociais, especialmente motivado pela crença de que a sociologia pode não apenas elucidar as engrenagens invisíveis que movem os indivíduos, mas também, por meio da apreensão racional da magia em que estamos todos envolvidos, encontrar significados e suportes para sustentar nossas esperanças de que uma estrutura menos assimétrica é possível. Natural do Recife, foi para o Rio de Janeiro em 2013 para a realização de um mestrado em Sociologia com Frédéric Vandenberghe, no Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), com quem deu prosseguimento ao doutoramento (a ser concluído entre 2019-2020). Há seis anos é membro do Sociofilo. Atualmente realiza uma pesquisa sobre sociabilidade e práticas sociais nas camadas populares urbanas, desenvolvendo um estudo socioantropológico sobre a relação entre experiências de moradia, trajetos urbanos e trajetórias de vida entre os moradores de um da bairro da periferia do Recife, o mesmo em que o próprio pesquisador nasceu e cresceu. Já integrou, como pesquisador, equipes em diferentes projetos de pesquisas em instituições brasileiras (UFRPE; UFPE; FUNDAJ; IPEA) e coordenou investigações sobre subjetividades de classe no Brasil para a SUNY-New Paltz. Tem interesse em teoria social, teoria sociológica francesa, sociologia do conhecimento, etnografias urbanas e metodologia das ciências sociais, com ênfase em discussões sobre a relação entre agência e estrutura; disposições, reflexividade e práticas; provas sociais e processos de individuação; campo de possibilidades, experiências sociais e trajetórias de vida. É autor de Para uma sociologia das visões de mundo: cultura, pensamento e práticas sociais (no prelo, Appris Editora).

Rodrigo Cantu

Professor adjunto do Instituto Latino-Americano de Economia, Sociedade e Política (ILAESP) da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA). Possui graduação em Ciências Econômicas pela UFPR (2006), mestrado em Sociologia pelo IUPERJ (2009) e doutorado pelo IESP-UERJ (2016) com período sanduíche na EHESS (2012-13). Atua nas área de Sociologia Econômica, Teoria Social, Sociologia Histórica do Estado, Economia Política das Formas de Capitalismo e Política Social.

Samantha Sales

Doutoranda em sociologia no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre em sociologia (com concentração em antropologia) pelo mesmo programa e graduada em ciências sociais pela UFRJ. Além do Sociofilo, integra o Núcleo de Estudos da Cidadania, Conflito e Violência Urbana (Necvu) da UFRJ. Suas pesquisas se concentram em sociologia da moral, com ênfase nas relações entre dinheiro, gestão e moral.

Sara de Andrade

Graduada em Belas Artes pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e mestre em Sociologia pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente estudante de doutorado no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia pela UFRJ; para além do Sociofilo, integra os grupos de pesquisa Nectar (Núcleo de Estudos Cidadania, Trabalho e Arte) e o coletivo Todas as Artes, todos os Nomes. Interesses de pesquisa se concentram na sociologia da arte e da recepção e nas interseções entre arte e polarização política.

Thais Aguiar

Professora do Departamento de Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) da UFRJ. Pós-doutora pelo Departamento de Ciência Politica da Universidade de São Paulo (DCP/USP) e pela Pós-Graduação em Ciência Política do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP/UERJ). Doutora em ciência política pelo IESP/UERJ, tendo realizado estágio doutoral na Universidade Paris Ouest Nanterre La Défense (Université Paris X). Ganhou o Prêmio Capes de Tese 2014 na categoria Ciência Política, com trabalho publicado no livro Demofobia e demofilia: dilemas da democratização (Azougue, 2015). É mestre em ciência política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Estado do Rio de Janeiro (IUPERJ/UCAM). Desenvolve pesquisas na área de filosofia política e teoria política moderna, com ênfase nos estudos sobre democracia, democratização (demofobia e demofilia), liberalismo, comunismo, anarquismo, socialismo libertário e utópico; spinozismo. É colaboradora do Sociofilo, pesquisadora membro do Grupo de Pesquisas Anticapitalismos e Sociabilidades Emergentes (GPASE) e do Núcleo de Teoria Política (Nutep). Traduziu Manifesto convivialista (vários autores) e O Parlamento dos invisíveis (Pierre Rosanvallon).

Thiago Braz

Doutorando em Relações Internacionais, área de aplicação Política Internacional, pelo Instituto de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (IRI/PUC-Rio), realizou Mestrado em Relações Internacionais na mesma instituição e Mestrado Profissional (M2) em Comércio Internacional no Institut d’Administration des Entreprises Aix-Marseille, Aix-Marseille Université (AMU), e graduação em Administração na Universidade Federal Fluminense (UFF). Interesses de pesquisa envolvem relações de raça, gênero, classe e estudos de/pós-coloniais; sociologia política internacional; globalização; sociologia e antropologia da economia e finanças contemporâneas.

Thiago Panica

Graduou-se em Ciências Sociais (bacharelado e licenciatura) pela Universidade Federal Fluminense (UFF), onde foi, sucessivamente, monitor de Sociologia e de Antropologia, além de bolsista de iniciação científica. Seu mestrado em Sociologia foi realizado no Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ). Prosseguindo sob a orientação de Frédéric Vandenberghe, concluiu o doutorado no IESP-UERJ (antigo IUPERJ), com estadia como pesquisador no Centre Max Weber da École Normale Supérieure de Lyon sob a tutela de Bernard Lahire, de quem foi por diversos anos assistente de pesquisa em suas passagens pelo Brasil. Atualmente, além de integrar há muitos anos o Núcleo de Pesquisas Sociofilo, onde também é membro do corpo editorial de seu periódico Cadernos do Sociofilo, realiza pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), integrando seu Grupo de Estudos de Teoria Social e Subjetividades sob a supervisão de Cynthia Hamlin. Suas principais áreas de interesse são: teoria sociológica, cultura e classes sociais, fenomenologia e epistemologia.

Vittorio Talone

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP-UERJ). Possui título de mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGSA-UFRJ) e integra desde 2012 o Núcleo de Estudos da Cidadania, Conflito e Violência Urbana (NECVU-UFRJ). Tem interesse em Sociologia da Moral, Sociologia Urbana e Pragmatismo, tendo pesquisado principalmente em relação aos temas de violência urbana, confiança e desconfiança, memória, deslocamentos pela cidade do Rio de Janeiro, e emoções.

Yago Paiva

Mestre em Ciência Política pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Possui graduação em Comunicação Social – Jornalismo – pela Universidade Estácio de Sá (2015). Pesquisador do Núcleo de Estudos do Empresariado, Instituições e Capitalismo (Neic/IESP) e do Sociofilo – laboratório de Teoria Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).